quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Tropa de Elite da Educação

Não é preciso trabalhar no IBGE para saber que nos últimos anos o número de brasileiros com um diploma de “terceiro grau” cresceu vertiginosamente. Basta andar pela rua e ver como existem campi em cada esquina, como se fossem Mc Donalds. Só que ao invés dos hambúrgeres sem gosto produzidos em série, os Mc Donalds do Ensino produzem profissionais da mesma forma e sem nenhum compromisso de qualidade.

É nesse cenário que se passa Fábrica de Diplomas. Uma história que começa com uma estudante baleada no campus e percorre as entranhas da educação superior do Brasil, passando por bastidores da política e da segurança pública num romance policial que é simplesmente arrasador.

Fábrica de Diplomas é tão bom que eu não tenho vergonha de comentar os defeitos como se fosse um livro qualquer, sem o constrangimento de falar mal de um autor nacional. É tão bom que desde as primeiras páginas eu me peguei pensando como é que ainda não fizeram um filme ou um seriado ou uma minissérie dessa história (Alô, Rede Globo! Alô, HBO! O que é que vocês estão esperando?). É tão bom que eu não tenho dúvidas quando digo que é o melhor livro do ano, sem nenhuma ponta de exagero, bairrismo ou condescendência.

Isso porque Felipe Pena escreve bem. Muito bem. A história corre fluída, interessante, irônica, sem parecer pedante ou didática. Em uma trama complexa e com personagens até demais (não é à toa que no início do livro tenha uma lista com o nome de todos eles, afinal, para se perder no meio de tanta gente, cada um com seus próprios interesses, não custa), o autor propositalmente deixa o leitor “no escuro”, para, aos poucos, ir revelando as camadas de sua história apenas no momento exato. Ao fazer o leitor de companheiro de investigação, Pena eventualmente ainda planta dúvidas em sua cabeça e apresenta diversas reviravoltas no decorrer das pouco mais de 300 páginas do livro. Não bastasse isso tudo, a história desafia o leitor o tempo todo com referências a manchetes tiradas do noticiário e flerta com o recurso da metalinguagem (mais sobre isso depois).

Tropa de Elite
Fábrica de Diplomas é um Tropa de Elite da Educação e não fosse a data de publicação (Fábrica de Diplomas originalmente saiu em 2008 como O Analfabeto que passou no Vestibular*), eu diria até que Pena tirou muitas de suas inspirações do maior sucesso cinematográfico do país.
* Se não fosse isso, eu diria que aquele diálogo que tem “f*der” e “beijar” como núcleos e durou cerca de 3 ou 4 páginas tinha saído direto de Tropa 2.
** A propósito, o livro tem bastante palavrão. E nesse caso em específico, o palavrão é um elemento quase fundamental para dar verossimilhança aos diálogos. Porque, sinceramente, tem horas que não dá para apelar para eufemismos e só um palavrão resolve.


O próprio início do livro marcado pelo batidão do funk remete ao filme de José Padilha. E se aquela correria do começo também te fez lembrar Cidade de Deus, logo depois da metade do livro, Felipe Pena dá uma piscadela para o leitor e coloca o nome do traficante de Dadinho. (Eu falei que o cara era bom!).

Mesmo assim, seria injusto ficar o texto inteiro falando das semelhanças entre Fábrica e Tropa (já estamos íntimos) porque, apesar, ou melhor, além disso, dá para perceber que Pena imprime seu estilo e está mais preocupado em contar a própria história do que em estabelecer paralelos entre ela e o filme nacional mais assistido de todos os tempos.

Só mesmo um professor universitário conseguiria tecer comentários tão verdadeiros quanto ácidos acerca do sistema educacional superior brasileiro. Só mesmo um cara que possui um currículo acadêmico tão rico para misturar com tanta propriedade educação, jornalismo e psicologia. Só mesmo um morador do Rio de Janeiro para fazer descrições tão precisas da geografia e do trânsito da cidade.

E é exatamente essa brasilidade que torna o livro ainda mais atraente.

Não é mera coincidência
No início do livro, há uma inscrição que diz “Esta é uma obra de ficção e qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência”. Não é.

Mesmo aqueles que acompanham minimamente os jornais serão capazes de escutar o eco das manchetes de anos anteriores ressoar na cabeça durante a leitura. E a linha daquilo que é real e o que é ficção é tão tênue que vai fazer você correr atrás para descobrir ou confirmar quais foram as situações e personagens dos noticiários que serviram de molde para as tramas e personagens do livro.


A obra é de ficção, mas é um retrato fiel da educação superior no Brasil. Estão lá descrições “nuas e cruas” do que acontece na hora da escolha dos cursos pelas instituições (sempre dando preferência àqueles mais baratos, chamados “cuspe e giz”), a máfia das bolsas de estudo, o “milagre da multiplicação” dos campi, a farsa do vestibular nas faculdades particulares, as estratégias de marketing ridículas, os subestimados cursos politécnicos e os superestimados de pós-graduação, a falta de compromisso com o ENADE e com o ensino de um modo geral (tanto da parte da administração quanto dos professores), e o próprio despreparo dos alunos sem nenhuma condição de encarar o ensino superior, entre outras coisas.

Além disso, Felipe Pena utiliza fatos ocorridos no passado recente do Rio e outros que infelizmente ainda fazem parte do nosso presente para construir uma trama que adapta a realidade às formas da ficção. Além da já citada estudante que foi baleada em pelo campus, estão lá o analfabeto que passou no vestibular, o senador maranhense que está há anos no poder, o chefe da polícia civil que tinha ligações com o tráfico de drogas e com as milícias e armava para eleger-se deputado nas próximas eleições, o vereador simpático que luta pelos animais, mas que também tem conexões duvidosas, o jogador de futebol que financiou a fundação de um campus novinho, o deputado dos “instintos mais primitivos”, etc, etc, etc.

E para quem mora no Rio ainda tem o bônus de reconhecer cada esquina da cidade sendo usada como cenário!

Os habitantes da Cidade Maravilhosa vão perceber que embora a maior inspiração para a Bartolomeu Dias seja aquela faculdade que teve o analfabeto aprovado no vestibular, foi palco da estudante que levou o tiro, tem campus até na lua e nome de fundador da cidade (a Estácio), o autor, até para tentar se livrar de algum possível processo, misturou outras instituições famosas do Rio de Janeiro. Porque quem tem campus na Piedade é a Gama Filho, na Rua da Assembléia com Pós-Graduação e filas no prédio é a Cândido e a outra com unidade no Maracanã é a Veiga de Almeida. E eu não sei você, mas eu fiquei com a impressão de que o Centro Universitário Provinciano seria um acrônimo para PUC ao contrário....
* Também vale lembrar no campo das negociações que nos últimos anos, a UVA foi vendida para um grupo de americanos. E a Univercidade (é com C mesmo) se juntou com a rival UGF, causando muita indignação dos funcionários e problemas administrativos.

Essa precisão geográfica, inclusive, rendeu um dos momentos mais legais da leitura. Estava eu no meu ônibus, saindo de Botafogo, e quando estávamos entrando na Presidente Antônio Carlos (aquela rua dos tribunais), um dos personagens que havia saído do campus de Psicologia da fictícia UFC em Botafogo (e campus de Psicologia em Botafogo só pode ser a UFRJ!) também entrou na mesma rua exatamente no mesmo momento que eu. Imagina a emoção!

 Aquele momento em que você olha pro lado e percebe que está no mesmo lugar que o descrito no livro

(Ainda sobre as vantagens de ler um livro passado no Brasil, vale a lembrança de que, num livro gringo, a personagem de Nicole certamente ganharia um Pullitzer, ao invés do tupiniquim Prêmio Esso).

As universidades públicas 
Muito embora a maioria das críticas do livro se dirija às instituições particulares, em determinado capítulo, quem fica sob a mira são as universidades públicas, que o autor conhece muito bem, já que leciona na Universidade Forno e Fogão Universidade Federal Fluminense, uma das melhores faculdades do estado. E quem já passou por uma universidade pública sabe muito bem como é que a banda toca. Professores “turistas” que quase nunca aparecem, outros mestres que eram pra ser Dedicação Exclusiva dando aula em outros lugares e sem nenhum compromisso com as aulas, o corporativismo que protege esses vermes nocivos à educação e até o envolvimento dos DCEs na safadeza. É revoltante ver como uma instituição com os melhores alunos e os melhores professores (pelo menos em tese) deixa de atingir todo o seu potencial por conta de má administração e a simples falta de vontade dos docentes. É muito fácil culpar o governo e ele certamente tem sua parcela de culpa, mas se cada peça que compõe o sistema educacional desse país (e aí eu incluo professores, alunos e coordenadores de todos os níveis, não só do superior) não fizer a sua parte, dificilmente vamos ser um país sério algum dia.


  
Levando em conta a minha própria experiência como aluna, em especial duas frases me chamaram a atenção: “Os alunos do último período, quase formados, já não tinham a mesma paciência de antes” e “Os melhores professores vem do mercado”.

A primeira, porque, bom, aluno do último período é assim mesmo. A gente já não agüenta mais a faculdade e sente que o tempo ali já não é mais tão produtivo quanto antes. Não vai ser uma ou duas aulas que vão fazer a diferença nessa altura do campeonato. Se antes a gente esperava com ansiedade o professor chegar, agora, se ele atrasasse 20 minutos a gente ia embora sem nenhuma dor da consciência. Até porque, muito provavelmente ele não viria mesmo.

Já a segunda vinha num diálogo, em tom de crítica, mas que, para determinados cursos, eu acho até que dono da universidade tenha sua parcela de razão. Dificilmente professores 100% acadêmicos agregam tanto quanto aqueles que possuem uma visão da necessidade do mercado. Algumas vezes, os professores do mercado sabem bem mais da matéria do que aqueles que já possuem um zilhão de títulos. Até porque muitos dos diplomas de especialização existentes são tão comprados como os da própria graduação e raramente contemplam um trabalho relevante para a sociedade. De que adianta um professor doutor se ele não domina a matéria que leciona? Ou de que adianta ter um professor doutor se ele não sabe ensinar? Numa universidade o que é mais importante: a disseminação dos títulos ou do conhecimento? O debate é profundo e a resposta não é tão simples quanto parece, tanto é que pode-se perceber uma certa contradição até mesmo dentro do próprio livro quando este tenta se posicionar a respeito. Mas tendo em vista minha própria história, é impossível não pensar que o dono da Bartô não está completamente errado.
 
Pastoriza vs Nascimento
Em Tropa, Capitão Nascimento era o personagem inspirado naquele ex-comandante do BOPE que também escreveu bestseller e agora cobre a parte de segurança do RJ-TV. Em Fábrica, ao receber a missão de investigar o caso da menina baleada no campus, Pastoriza toma para si o papel de herói da história. E, depois de ler a orelha do livro, é impossível não enxergar o personagem, que assim como Pena, é psicólogo, professor e romancista como um alter ego do próprio autor. (Não à toa, é ele o personagem recorrente no resto da chamada Trilogia do Campus).

Certas horas, essa percepção irrita um pouco, pois Pastoriza, por ser o único personagem íntegro no meio de tanta sujeirada, fica parecendo autoelogio da parte do autor. Ao mesmo tempo, em outros momentos, Felipe Pena, também por meio de Pastoriza, referencia não só a si mesmo como ironiza a própria obra como “ficção jornalística underground”. Porém logo depois, o delegado Vasconcellos revela-se fã de Antônio e comenta que ele deveria dar mais valor a si mesmo. Desnecessário.

Além disso, a personalidade acadêmica e culta do professor não convence como herói definitivo. É um personagem ingênuo demais dentro de todo o jogo de poder envolvido. Mas, se em certas horas senti que as semelhanças entre Pastoriza e o próprio autor incomodavam e que faltava na história um Capitão Nascimento (alguém que sabe o que está fazendo, que imponha respeito, que dê porrada!), tudo isso foi revertido no final, quando todo o passado do personagem foi fundamental para desvendar talvez o maior mistério do livro. E se antes o autor apenas flertava com a metalinguagem, nessa hora, ele a abraça com toda a força, e torna a resolução do caso extremamente elegante. E aí quem teve vontade de abraçar o cara fui eu.

Fábrica de Diplomas disseca a estrutura da educação brasileira de um jeito que deixa até os envolvidos na área de queixo caído, envolve o leitor de um jeito que dá vontade de indicar o livro para todos os amigos e o desafia de um jeito que te faz se sentir mais inteligente no final da leitura. É literatura policial das boas e tem tudo para derrubar preconceitos e se tornar um fenômeno tal qual Tropa de Elite. Nascimento podia até correr atrás dos bandidos, mas até ele sabe que enquanto a educação estiver na mão desses outros bandidos (em todos os níveis) que em nada se preocupam com o ensino, não adianta subir o morro, porque desse jeito, o Brasil nunca será um país sério.

8 comentários:

  1. Lisa, eu ADOREI esse livro! É genial! E acho mais incrível ainda agora, pescando as referências que você pegou e eu não.

    Sabe, eu queria ser uma pessoa mais atenta aos detalhes, que percebe a dica da PUC ao contrário, por exemplo. Mas eu não sou assim. Vivo perdendo esses detalhes legais (mas, mesmo assim, consigo gostar de quase qualquer história).

    Essa é uma discussão muito séria. Eu, como estudante de uma Universidade particular e ex-funcionária de outra, sei bem como as coisas podem ser ridiculamente encobertas (não que eu tenha muito para reclamar da USJT, onde estudo. A Universidade é burocrática, organizada e rigorosa até demais) E, como pessoa que ja passou por três Universidades na vida, posso dizer que tenho um certo conhecimento de causa.

    Enfim, gostei tanto do texto que divulguei no Twitter - não sei porque, mas acho que você jamais faria algo assim.. hahaha

    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Karol, esse post teve forte influência sua. Foi lá no seu blog que eu fiquei sabendo da existência desse livro e desde que li sua resenha fiquei com vontade de comprar.

      Às vezes eu divulgo os posts no Twitter, sim! Mas, confesso que, na maioria das vezes me dá preguiça.

      Excluir
  2. Uau! Depois de ver você e a Karol super empolgadas com esse livro, eu realmente preciso lê-lo. Vou comprar assim que puder!

    Eu vi seu tweet sobre estar na mesma rua do personagem e me lembrei da cena do cinema de FMF 3 que eu li praticamente vendo os personagens na minha frente. Adoro quando isso acontece, todo autor deveria ser específico assim pelo menos uma vez em cada livro.

    Eu era uma "estudante do último período" já na metade do curso. No último, mesmo, eu já não tinha paciência nenhuma. Já me formei há três anos e ainda não peguei o diploma porque resisto a voltar lá. Sou uma filha ingrata da federal. E, no meu caso, isso tem tudo a ver com a segunda frase. Toda a minha revolta é pelo que sofri durante aqueles 5 anos com professores que desprezavam o mercado. O mesmo mercado que me forneceu vale-transporte, dinheiro pra pagar os livros e um computador com internet pra fazer os trabalhos. Isso sem contar todos os "Sheldons" que eu tive como professores. De que adianta saber tudo, se não conseguem se relacionar com os alunos? A melhor professora que eu já tive - a de banco de dados do CEFET que, ainda hoje, é a área que eu mais gosto e mais domino na computação - lembrava os nomes dos alunos, onde fez estágio, onde estudava e quem namorava três anos depois de nos formarmos. (Sério, ela perguntou coisas que eu não lembrava mais.)

    Não sabia que o livro faz parte de uma trilogia. Será que os outros já foram lançados?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cíntia, não perca seu tempo e leia logo. O livro vale muito a pena. É engraçado porque ao mesmo tempo em que ele ironiza as tramas policiais americanas não fica devendo em nada para qualquer livro gringo. Estava querendo uma leitura boa, inteligente dessas há alguns meses, mas estava difícil de encontrar. O cara é profissional.

      A história do "estudante de último período" realmente não se limita ao último período. Mas é que no último a gente já está quase formado, aí acho que se sente mais confiante e impaciente. Um dos melhores professores que eu já tive na vida foi um que deu aula de Java no Cefet (já falei dele aqui no post dos professores). Exemplo de pessoa, de professor e profissional. Tenho muito orgulho de ter sido sua aluna. Ele também tinha essa visão de mercado e mudou o conceito do curso. Se tivesse chegado antes, talvez até tivesse tentado informática no vestibular. Um dos motivos para eu desistir da informática foi isso. O curso técnico, embora na teoria seja direcionado para o mercado de trabalho, era muito teórico, acadêmico, sem aplicabilidade. Não queria passar mais 4 anos na faculdade sofrendo com esses professores que mais enrolam do que ensinam. E informática é um curso difícil, trabalhoso, muitas vezes abstrato! O curso de Contábeis também teve muita matéria-engodo, mas dá pra tirar o atraso sozinho. Etb é um curso muito prático desde o início. Mas tive professores com mestrado, doutorado que não faziam ideia da matéria que estavam ensinando! A maioria dos professores catedráticos do curso eu nem tive acesso porque eles colocavam os estagiários do mestrado pra dar aula. Alguns foram terríveis. Outros foram muito bons, melhores do que esses dinossauros.

      Descobri essa da trilogia outro dia, e eles já foram lançados sim: O marido perfeito mora ao lado e O verso do cartão de Embarque. Pelo que eu entendi, os focos são totalmente distintos, apesar de possuirem alguns personagens em comum.

      Excluir
  3. Sensacional seu texto!

    Concordo com quase tudo, mas no fundo fiquei mesmo com vontade de ler o livro para tirar minhas próprias conclusões.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia mesmo. Vpcê está mais do que certa. Mais importante que concordar é debater, chegar às suas próprias conclusões. Se vc comprar até 30/10, dá tempo de participar de uma promoção que premia as melhores resenhas que está rolando na internet.

      Excluir
  4. Pô, parece ser bom mesmo. Não é muito o meu tipo de leitura usual, mas me interessou. Quero dizer, se é mesmo o "tropa de elite da educação", SÓ PODE SER BOM. Fim.

    PS: Como aluna da Gama Filho, e colega de um pessoal da UniverCidade, posso dizer que não foram SÓ os funcionários revoltados com a bagunça - porque ficou (e ainda está) uma bagunça completa. ¬¬'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho uma colega que estuda na Gama Filho tb. Ela me falou que está uma bagunça mesmo. Por isso generalizei "problemas administrativos" no texto. O livro é ótimo. É impossível ser universitário e não gostar. Ele descreve tudinho o que acontece nas faculdades. Fora isso, a história é muito bem escrita. Pra mim foi o achado do ano.

      Excluir

Não seja covarde e dê a cara a tapa.
Anônimos não são bem-vindos.
O mesmo vale para os spammers malditos. Se você fizer spam nesse blog, eu vou perseguir você e acabar com a sua vida.
Estamos entendidos?