segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

O que eu faço da vida #01: Os mitos


2012 foi meu primeiro ano sem estudar (assim certinho de segunda a sexta, pra pegar um diploma no final). E eu não senti a mínima falta.

Mesmo antes disso, já tem um tempinho que "trabalho" pra mim deixou de ser sinônimo de ir pra casa do colega brincar depois de terminar a tarefa especial para casa da professora. Dizem que você deve escolher um trabalho que ame e assim você nunca terá que trabalhar. O que é a maior mentira, porque AMO meu trabalho (graças a Deus!), mas ele ainda é trabalho, com toda a gratificação de fazê-lo e todo o estresse em épocas de pique (ah, sim, ao contrário da infância, pique por lá não é muito divertido).

E como nos últimos tempos tenho me deparado muito com a simples pergunta, porém com resposta complexa, que diz: “O que você faz lá no seu trabalho?”.

Pra quem ainda não sabe, apesar do meu passado informático, sou formada em contabilidade e trabalho com auditoria. E se já é difícil explicar o que faz um contador, mais difícil ainda é tentar situar alguém de fora no que consiste o meu trabalho de auditoria. Então, achei legal perder um tempinho para dar uma ideia do que eu faço da vida.

Vamos começar com a primeira pergunta, então:

O que é a contabilidade?
Segundo a Wikipédia: Contabilidade é a ciência que tem como objeto de estudo o patrimônio das entidades, seus fenômenos e variações, tanto no aspecto quantitativo quanto no qualitativo, registrando os fatos e atos de natureza econômico-financeira que o afetam e estudando suas consequências na dinâmica financeira.

Agora for dummies: Contabilidade é a ciência que se preocupa com o registro das operações de uma empresa. Ela tem como objetivo, através dos lançamentos feitos em partidas dobradas, transparecer a situação patrimonial da entidade da melhor forma possível. Ao final do exercício, as “grandes empresas”, grosseiramente falando, devem divulgar as demonstrações financeiras (no popular, “o balanço”) para os interessados a fim de que estes possam tomar as melhores decisões possíveis.

O que faz o contador?

Ao contrário do que o Felipe achou uma vez, o contador não fica contando coisas. Mas o Felipe não é parâmetro pra ninguém, né, gente!

Mas antes, vamos quebrar alguns mitos disseminados pela mídia ou pelo senso comum sobre meus colegas de profissão.

#01: Contadores são frustrados

Nos filmes, o contador é sempre o mané, o otário, o tímido, o frustrado que sonhava em ser importante mas acabou fazendo contabilidade por terem lhe negado um papel principal na peça da escola. 

Não acredite nisso. A maioria dos contadores que eu conheço vive muito feliz na sua profissão. E o que eu mais escuto nessas minhas andanças por aí é gente se lamentando porque devia ter feito contabilidade ao invés de administração, economia, engenharia, enfermagem, etc.

Porque, ao contrário dessas outras profissões que têm escopos muito vagos, a contabilidade é certeira, prática, e só o contabilista pode assinar o balanço. 

Nos primeiros episódios de Glee, o Mr. Schue ficava na dúvida se continuava como professor ou teria de fazer o imenso esforço de trabalhar com contabilidade, como se qualquer um fosse qualificado para o serviço. (E até hoje eu não sei se ele era formado em contabilidade mesmo, porque, naquele episódio do Ricky Martin, eles deixam bem claro que o mentor do Glee Club também não tinha nenhuma formação acadêmica para dar aula, então vai entender o que se passa na cabeça do Ryan Murphy).

#02: Contadores vivem rodeados de papel

É muito comum o contador ser associado à figura do cidadão arcaico e infeliz que vive rodeado de papéis, fica com uma calculadora daquelas que sai uma fitinha e usa uma viseira na testa. 


Não vou dizer pra você que ainda não exista gente trabalhando desse jeito. Mas posso te garantir que essas pessoas já têm mais de 50 anos de idade. Quer dizer, não sei se vocês sabem, mas existe uma coisa chamada “Computador”, que revolucionou o armazenamento das informações. É bem verdade que ainda tem muita coisa em papel (até porque só pode ser registrado aquilo que está documentado), mas o modo de trabalhar está totalmente informatizado. Não tem mais aquela de ficar escrevendo à mão nos livros. É tudo feito nos sistemas. Às vezes até integrados com os utilizados para o gerenciamento da empresa.

#03: Contadores sabem tudo de matemática e fazem todos os cálculos de conta de cabeça

Outro mito muito comum que assusta quem não faz ideia do que seja contabilidade é a lenda de o curso tem muita matemática e que seus alunos resolvem todos os cálculos de cabeça.

Pra falar a verdade, contabilidade envolve basicamente as quatro operações (no máximo uma potência e uma raiz). Você vai ver um pouquinho de cálculo (que não vai lhe servir para nada), estatística (que pelo menos serve pra fazer prova de concurso) e matemática financeira. De resto são matérias específicas do curso que utilizam sim muita matemática. Mas é tudo muito concreto e nada que um aluno que aprendeu bem a matéria do ensino fundamental não consiga tirar de letra.

Agora sobre a calculadora com a fitinha, ela realmente existiu, porque contador não é bom de conta de cabeça. Mas também já ficou pra trás porque, hello, existe Excel, gente!

Um detalhe: Mexo com planilha Excel o dia inteiro. E descobri que nasci pra isso. Copia os dados pra cá, transpõe tabela pra lá, separa as colunas, sumariza do outro lado, seleciona os maiores, aplica um monte de fórmulas, usa formatação condicional, muito PROCV, tabela dinâmica... Recebo arquivos de tudo quanto é formato, e tenho que dar um jeito pra transformar tudo em uma planilha agradável de manipular. Estou sempre tentando descobrir uma maneira de otimizar o processo, porque ninguém merece trabalho manual! O dia que eu aprender a fazer macro ninguém me segura!

 #04: Contadores são ricos
Então, não é porque contadores são profissionais que lidam com finanças que eles necessariamente são ricos. Mas não vou mentir pra vocês. Existem contadores ricos, sim. Mas geralmente são os caras que já ocupam um cargo de diretoria, gerência, chefia dentro do departamento, que realmente assina o balanço e tal. E enquanto você tem o chefe ganhando uma quantia, hmmm, interessante, também tem o estagiário ou assistente ganhando muito, muito menos. Tem bem mais a ver com a posição do seu cargo do que com área em que atua. Mesmo assim, isso varia MUITO de onde você vai trabalhar. E dependendo de onde você trabalhe pode ser que continue ganhando mal a vida toda (mesmo ocupando um cargo interessante).

As áreas da contabilidade

A Contabilidade permite que o graduado atue em diversas áreas da profissão como:
  •  Contabilidade gerencial - Menos preocupada com o registro e sim com a relação entre os custos dos produtos e serviços ofertados.
  • Contabilidade Tributária/Fiscal – Relacionada ao estudo e ao cálculo dos tributos devidos.
  • Contabilidade Pública – Área que estuda o registro das operações das entidades públicas.
  • Perícia Contábil – Contratada para emitir parecer acerca do patrimônio da empresa quando dentro de um processo de litígio.
  • Auditoria – Depois eu falo.

Passado e futuro

Contador não é vidente. E isso é uma das coisas que eu mais gosto na profissão. A contabilidade é ao mesmo tempo um meio (para as tomadas de decisão) e um fim (que mostra o que resultou de tudo o que aconteceu na empresa, desde seu nascimento). Não vou dizer que seja uma ciência totalmente exata, porque nos últimos tempos, com a aprovação das normas internacionais, ela adquiriu um teor subjetivo maior. Porém, na maioria dos casos, existe sim uma resposta correta pra tudo e a gente não fica muito na base do “Depende”. E outra: uma hora ou outra, mesmo sem querer, você vai estudar nem que seja um pouquinho de contabilidade na sua vida.

Alguns podem alegar que o contador só se importa em registrar o passado, sendo sua função meramente ilustrativa para fins de cumprir a obrigatoriedade com o fisco e em alguns casos de empresas pequenas, familiares, isso pode até ser verdade. 

O contador dificilmente terá uma visão gerencial, de tomada de decisão, preocupado se as vendas vão aumentar, se vão diminuir, de as despesas devem ser cortadas ou não. Ainda mais em microempresas. Mas o seu trabalho deve servir de base para que aqueles que vão tomar as decisões possam ter uma visão clara de que as vendas aumentaram, diminuíram, se as despesas estão muito altas, se a empresa está dando lucro ou prejuízo, e então possam traçar sua estratégia.

E se a contabilidade estiver uma bagunça ou estiver refletindo uma situação preocupante (por exemplo, muitas dívidas e poucas garantias de pagamento), e a empresa quiser pegar um empréstimo, participar de uma licitação, vender a companhia ou até abrir o capital, eu duvido muito que ela consiga.

Nas empresas maiores, como elas têm a necessidade de divulgar periodicamente suas demonstrações financeiras, o setor da contabilidade é um pouco mais respeitado. Afinal, todo mundo vai ver um retrato da situação patrimonial da empresa saindo no jornal! E pra sair no jornal tem que estar bem bonito na foto, afinal todo mundo vai ver, e aqueles poucos doidos investidores, fornecedores, clientes que leem aquelas letras miúdas tem que ter uma visão muito clara de como a empresa está.

E é aí que entra a auditoria! Mas isso é melhor eu explicar na semana que vem! 

No final de tudo, nosso trabalho acaba resultando numa DF tipo assim:
E quando tem que sair no jornal mesmo, dá vontade de falar: “Manhê, fui eu que fiz!”

PS Se tiver alguma pergunta, a caixa de comentários está aberta às dúvidas. :)

9 comentários:

  1. Eu conheço uma porção de contadores e, embora goste de números, acho que deve ser um trabalho chato e cansativo. Pode ser que seja outro mito - mas não acho, pelo que você falou sobre a contabilidade ser prática e certeira - mas é que parece ser sempre a mesma coisa. Acho que por isso o contador tem o estereótipo do cara conservador. É uma profissão segura, estável. O sonho de muita gente, mas que me faria desistir na primeira semana.

    "AMO meu trabalho, mas ele ainda é trabalho, com toda a gratificação de fazê-lo e todo o estresse em épocas de pique" Idem aqui. De vez em quando eu passo raiva, tenho vontade de largar tudo e ir vender água de coco na praia, de matar o chefe ou o estagiário etc. Mas ainda amo.

    Quem fica contando coisas é quem mora em Contagem. Ou, pelo menos, era, na época que a cidade era uma grande fazenda por onde as coisas passavam antes de chegar ao Curral Del Rey.

    Amo Excel! Acho que é o melhor programa que a Microsoft já desenvolveu. Pena que a maioria das pessoas não use nem 10% das suas funcionalidades, mesmo quando precisam. Ok, pensando bem, seu trabalho não é tão chato assim. Não pode ser chato quando você mexe com fórmulas, usa formatação condicional e inventa coisas diferentes. Retiro o que eu disse no primeiro parágrafo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, Cíntia, em relação a ser uma profissão "rotineira" eu acho muito relativo. Se você parar pra pensar, a maioria das profissões "faz a mesma coisa todo dia", mas só o contador leva a fama. Dependendo do lugar onde você trabalhe, pode ser que o serviço seja mais mecânico mesmo, mas sempre tem os seus desafios, alguma operação diferente acontecendo, alguma nova legislação, algum cliente fazendo besteira. Principalmente esse último, porque pro contador levar essa vida sem dor de cabeça, todo o operacional da empresa tem que estar tinindo. Mas isso é bem difícil de encontrar.

      Mas o legal da contabilidade, que eu acho, é que mesmo quando se tem um problema, acho que pelo menos a gente sabe por onde começar. Gostava muito de informática, mas sentia falta um pouco disso, sabe? De saber por onde começar a resolver o problema. Parece que os computadores "tem vida própria", rs!

      Quando falei que a contabilidade era "prática", quis dizer que não tem muito blablablá teórico até chegar na parte legal, e o "certeira" é porque não é como esses cursos em que você estuda pra ficar discutindo por horas a fio sem chegar a lugar nenhum.

      Também acho que o Excel é a melhor coisa que a Microsoft já fez. Por que o Word não consegue ser tão inteligente? E não suporto essas pessoas que ficam querendo empurrar aqueles genéricos do Office porque ficam de mendigaria com a licença.

      Outra coisa que eu posso te garantir é que rotina é uma coisa que eu NÃO tenho no meu trabalho. E isso por um lado é bom. E pelo outro é ruim e também de largar tudo às vezes. Mas eu conto na outra semana.

      Excluir
  2. Aaaaaaaaaah, só semana que vem?
    Cara, fiquei muito curiosa pra saber o quê a Auditoria faz, mas nem vou procurar no Google, nem nada, porque você explica de um jeito muito melhor :P

    ResponderExcluir
  3. eu fiz técnico em administração junto com o ensino médio, então,no longínquo ano de 1999, tive aulas de contabilidade. De tudo, só guardei duas palavras: razonete e balancete. Só não sei o que significam.

    No trabalho da minha mãe, tinha aquela calculadora com fita e eu adorava ir pra lá e fazer contas loucas nela.


    o único contador que conheço é o seu cdt e não penso muito no que ele trabalha. às vezes, a gente esquece que amigo trabalha, até o dia que vê as pessoas toda engomadinha, em roupas de trabalho. Ele me explicou mais ou menos oque é auditoria, mas eu continuo achando que é algo parecido com o emprego do chandler. =p

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Razonete é um razão pequeno. E balancete, a mesma coisa para balanço, rs! Expliquei bem agora, né?

      Ok, vamos tentar melhorar isso, já que vc já é iniciada no assunto.

      Razão é a descrição detalhada dos lançamentos em uma conta. O razonete é um razão resumido, sem a descrição, apenas usado para fins didáticos.

      Balanço é uma foto da empresa em um momento x, com informações dos saldos finais das contas naquele momento, para fins de divulgação, elaborado a partir do balancete. Balancete é um balanço mais detalhado, com outras informações como saldo inicial, movimentação e saldos finais das contas. Num passado distante, quando não existia sistema, o balancete servia para você verificar se não tinha feito nenhum lançamento perneta (em que o débito não batia com o crédito), hoje em dia o sistema não deixa mais fazer isso.

      Acho fofinha a calculadora com fita, mas sou geração Excel. Não consigo usar.

      E auditoria é meio parecido com o emprego do Chandler mesmo. Ninguém sabe o que a gente faz. rs

      Excluir
  4. A pergunta que não quer calar é: você faz a sua própria declaração de imposto de renda? Hum? XD

    Também acho o Excel lindo, ajuda muito, mas confesso que faço parte do time dos que não usam a maioria das funções (e nem conhecem). Um dia, a gente aprende. Ou não.

    Tem explicação científica pra viseira? O.o

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha! Então, ainda não fiz nenhuma porque até bem pouco tempo não tinha renda, rs! Mas esse ano vou fazer.

      Tenho certeza de que também não uso todas as funções do Excel, mas já navego por muitas daquelas abinhas, e fico abismada com a mágica do programa às vezes.

      Não encontrei nenhuma explicação para a viseira. Também gostaria de saber. rs

      Excluir
  5. Hahaha, eu mesma já fui dessas que te perguntou do seu trabalho! Muito esclarecedor esse post... ;)

    Bjs!

    ResponderExcluir
  6. Muito legal a forma que você explica as coisas, professores deveriam ter essa noção didática.
    Hoje estou no último ano do curso de Ciências Contábeis e concordo muito com seu texto em relação ao mercado de trabalho, mas de uns tempos pra cá vem ficando difícil pessoas i experientes conseguir uma primeira oportunidade. Acho que isso está acontecendo em todas as áreas, as pessoas estão preferindo o profissionais prontos do que aqueles que estão iniciando.

    Mas parabéns pelo conteúdo.

    ResponderExcluir

Não seja covarde e dê a cara a tapa.
Anônimos não são bem-vindos.
O mesmo vale para os spammers malditos. Se você fizer spam nesse blog, eu vou perseguir você e acabar com a sua vida.
Estamos entendidos?